O INÍCIO

           A história da Escola inicia em 1961, quando um grupo de empresários locais, liderados por José Piovan, idealiza uma escola técnica para o município. O objetivo principal da nova escola era a qualificação dos profissionais que atuavam nas empresas da região.

           O primeiro passo foi dado com a doação da área de 9.000 m² no centro de São Leopoldo pela Prefeitura Municipal. Três anos mais tarde é criada a organização comunitária denominada de “Comunidade Leopoldense”.  A associação assumiu a responsabilidade pela arrecadação de recursos e pela execução das obras da nova escola. O governo do Estado comprometeu-se com  a doação de equipamentos e cedência  de funcionários.

           A associação mobilizou a comunidade local e da região para agilizar a conclusão das obras.  Em 30 de julho de 1966 foi inaugurado o Colégio Industrial Frederico Guilherme Schmidt. Nos dois primeiros anos funcionou apenas no noturno, passando depois também a oferecer os cursos técnicos no diurno.

A EXPANSÃO

           No ano de 1979, às vésperas do 15º aniversário, é elaborado um projeto para ampliação, atualização de equipamentos, qualificação do ensino e aumento de vagas. Surge, então, um novo grupo de empresários ligados a ACI – Associação Comercial e Industrial, que obtém êxito na arrecadação de recursos e execução do projeto.

           A partir de 1981 o colégio passa a denominar-se Escola Estadual de 2º Grau Frederico Guilherme Schmidt e o seu patrimônio passa a integrar os bens do Governo do Estado do Rio Grande do Sul.

           Dois anos depois a escola é incluída no projeto MEC/BIRD, que tinha por objetivo modernizar as escolas técnicas. Previa a ampliação do espaço físico com a construção de salas de aula, oficinas e a aquisição de equipamentos. 

            A nova LDB – Lei de Diretrizes e Bases da Educação – Lei nº 9394/96 desvincula o Ensino Médio do Ensino Técnico em nível nacional. As mudanças são aplicadas na Escola a partir de 1997. Os alunos no diurno passam a estudar em turno integral, num turno cursando o Ensino Médio e no outro o Ensino Técnico. Os cursos do noturno passam a ser pós-médio, ou seja, os alunos que ingressaram, obrigatoriamente, precisam ter o Ensino Médio concluído.

A ATUALIDADE

           A partir de 2000, a Escola passou à denominação de Escola Técnica Estadual Frederico Guilherme Schmidt, resgatando também no nome a sua origem. No diurno os curso técnicos deixam de ser concomitantes ao Ensino Médio e passam a ser posteriores. 

           O projeto de adequação curricular e infraestrutura como alternativa de confronto do corpo discente e docente com o novo mercado de trabalho e suas tecnologias iniciou com a implantação do laboratório de automação, laboratório de hidráulica, laboratório de medidas elétricas e eletrônica industrial, além do laboratório de CAD/CAM/CNC com torno.

MISSÃO DA ESCOLA    

Formar técnicos que sejam capazes de construir o conhecimento científico e tecnológico, sensíveis e solidários às exigências de seu tempo.